Com Letra Maiúscula #3: Realidade e ficção – esse tal de jornalismo literário

08/08/2010

Clássico é clássico. Não me julgo capaz de analisar um trabalho tão importante, consagrado por uns e detestado por outros, apenas por tê-lo lido. Portanto, o que registro aqui são apenas alguns comentários sobre um livro arrebatador.

Dizem que quem cria muita expectativa normalmente se decepciona. Concordei com essa premissa a vida toda, mas isso começou a mudar ao ler A Sangue frio (1965), do polêmico, ambicioso e adorado Truman Capote, obra que demorou seis anos para ser entregue aos editores da The New Yorker, revista semanal que a publicou.

E convenhamos que, diante de um marco da literatura americana, que o próprio autor anuncia como sendo a inauguração de um novo gênero – o romance de não ficção –, o sentimento não poderia ser outro. Antes mesmo de finalizar a leitura do livro, já sabia que seria preciso rever meus conceitos.

É daquelas obras-primas indicadas nas faculdades de comunicação e que todo mortal interessado em boas histórias deveria devorar. Após adiar a leitura por anos, o livro praticamente caiu no meu colo (valeu, Alex!) e finalmente chegou a hora de conferir que raio de borogodó é esse. Rendi-me.

A história relatada por Capote é sabida desde que o livro é adquirido, não tem mistério. “A história dos quatro membros da família Clutter, brutalmente assassinados, e dos dois criminosos, executados cinco anos depois” é o resumo apresentado na capa da edição publicada pela Companhia das Letras, na série Jornalismo Literário. Ou seja, o leitor chega à primeira página já ciente de que dois mequetrefes matam a família em questão e do destino que ambos tiveram. Nunca gostei de saber antes da hora o que acontece no término de livros, filmes, séries, novelas, enfim, qualquer obra com começo, meio e fim. Cá com meus botões, pensei: como é que eu vou gostar de A Sangue Frio? Simplesmente gostando, porque, desfrutando do trajeto, é impossível não gostar.

Truman Capote prova por A mais B que é um excelente contador de histórias, fator há tempos ausente no jornalismo. Independentemente de os fatos serem reais ou não (há especialistas que questionam a veracidade de alguns acontecimentos retratados e acreditam em uma postura tendenciosa e/ou pessoal do autor), o mergulho na vida – e na morte – dos assassinos Dick e Perry, das vítimas da família Clutter e dos personagens de Kansas City e arredores após esse crime brutal é intenso e arrasador.

Ao examinar a realidade com traços literários, o escritor nos leva a reflexões sobre temas mais pesados, como violência, ética, religião, educação, desigualdade social, pena de morte, e também nos transporta para ambientes pacatos de rotina simples em pequenas comunidades dos Estados Unidos, com passeios ao sol, cavalgadas no rio e grandes milharais.

Nenhum trecho foi redigido em primeira pessoa, mas Truman Capote está inteirinho lá, nas páginas de A Sangue Frio. Até mesmo o interesse do autor pelo assassino confesso Perry aparece com certa nitidez – fator que, aliás, pode levar o leitor à predileção pelo personagem; apesar do histórico homicida, seu passado mais distante gera uma certa comoção.

Deixei-me envolver e nem senti a passagem das 440 páginas. A combinação crime chocante + tom irônico + relato profundo e apaixonado tornam a leitura visceral e fascinante. Indiscutivelmente imperdível.

Avaliação:  ★★★★★

Anúncios