Para tudo sempre tem uma estreia: meu primeiro poema

06/07/2009

É bonita, a menina.
Ela passa, sorri, prende o cabelo, ela fica bonita – mais, mais bonita.
Olha a beleza da menina, atarefada, acorda, sonha, e suspira.
A gargalhada bonita da guria aparece junto com o príncipe, moreno e galego – os dois, como pode?
E quando tem presente da mãe, cor de rosa, de menina, também se alegra a bonita.
Ela tenta, faz cara de moça, se arruma, adulta ela quer ser, mas não tem jeito, é bonita, a menina.

Sentei na frente do computador, encarei o cursor piscando na tela branca do Word e o texto saiu, bobinho e curtinho, simples assim. Pra você, Lu – menina bonita de boniteza que todos veem por fora, e alguns têm o privilégio de ver por dentro.